[Depoimento] O uso de indicadores de qualidade para melhorar a eficiência de sua UTI

Home » Material educativo » [Depoimento] O uso de indicadores de qualidade para melhorar a eficiência de sua UTI

Dr. Saulo Saturnino

05/10/2018

Dr. Saulo Saturnino – Gestor de Terapia Intensiva – Hospital Lifecenter – Belo Horizonte – MG

No depoimento abaixo, Dr. Saulo compartilha conosco como ele utiliza os indicadores de qualidade para melhorar a eficiência de sua UTI.

A UTI gerenciada pelo Dr. Saulo foi recentemente certificada com o selo Top Performer 2018, o que significa que a unidade teve alta eficiência ao longo de 2017. Para saber mais sobre o selo Top Performer, clique aqui.

Confira!

“Atuamos em 03 pilares: ações globais, ações individuais e reuniões educativas, de análise de resultados e de discussões de caso.

De forma resumida, posso destacar:

1- Ações globais

a) Implementamos protocolos institucionais para patologias mais prevalentes no hospital; protocolos setoriais para ações nas UTIs: analgesia, sedação, delirium, ventilação mecânica, infusão volêmica orientada, monitorização hemodinâmica, controle glicêmico, profilaxias em geral (TEV, úlceras de stress, úlceras de pressão, IRAS), RRT, manejo de choque circulatório.

b) Realizamos checklist diário para verificar/estimular aderência nas corridas de leitos das UTIs. Antes fazíamos manualmente ou no sistema administrativo do hospital (Tasy). Atualmente iniciamos a utilização do checklist do sistema Epimed Monitor, o que facilitou bastante o preenchimento.

2 – Ações individuais

a) Realizamos checagem diária do Epimed Performance, identificando pacientes que atingiram tercil intermediário ou superior de permanência (ou eventualmente de alto risco de longa permanência). Estes são elegíveis para o round multiprofissional do serviço de medicina intensiva, realizado em um momento diferente da corrida de leitos das subunidades.

b) O coordenador do serviço, o coordenador da subunidade, residentes e equipe multiprofissional discutem estes pacientes durante o round do serviço de Medicina Intensiva, diariamente, tentando contribuir em especificidades ou eventuais lacunas da assistência.

3 – Reuniões educativas, de análise de resultados e discussão de ações

a) Para coordenadores do serviço, residentes e plantonistas – uma aula teórica + um clube de revista, semanalmente.

b) Para coordenadores de subunidade – uma reunião mensal.

c) Coordenadores do Serviço, coordenadores de subunidades, diretoria do Hospital –  reunião trimestral, com apresentação/discussão dos indicadores fornecidos pelo Epimed Monitor e plano de ação para melhorias.”