Support & Downloads

Quisque actraqum nunc no dolor sit ametaugue dolor. Lorem ipsum dolor sit amet, consyect etur adipiscing elit.

s f

Contact Info
198 West 21th Street, Suite 721
New York, NY 10010
youremail@yourdomain.com
+88 (0) 101 0000 000
Follow Us

Publicação

Perfil do paciente politraumatizado e seus desfechos em uma unidade de terapia intensiva pública do interior da Bahia

Autores: Gabriel Silva Rocha1, Ananda Catharina Azevedo Silva1, Eduardo da Silva Oliveira1, Mauricio Gomes da Silva Serra1, João Victor Moraes de Melo1, Letícia Santos de Carvalho1, Bruno Sousa Pereira1, Lucio Couto
de Oliveira Junior1

1Universidade Estadual de Feira de Santana – Feira de Santana (BA), Brasil

Objetivo: O objetivo desse estudo foi identificar o perfil clínico-epidemiológico dos pacientes politraumatizados
admitidos em uma unidade de terapia intensiva do interior da Bahia.

Métodos: Trata-se de estudo epidemiológico descritivo e retrospectivo, com dados coletados entre junho de 2016
e março de 2017, usando o software EPIMED monitor®, aplicado em uma UTI adulto de um hospital público. Foram
incluídos todos os pacientes internados no período, vítimas de politrauma, totalizando 178 pacientes.

Resultados: A partir dos pacientes avaliados, observou-se que 85,95% (n=153) eram homens, a média de idade foi
36,2 anos, a idade máxima 97 anos e a mínima 17 anos. O tempo médio para admissão na UTI foi de 2,42 dias, a
média de permanência na UTI foi de 9,49 dias e o tempo no hospital de 16,54 dias. No momento da coleta 32 pacientes permaneciam internados. Quanto a razão de admissão, 121 (67,9%) foram pacientes cirúrgicos, destes a maioria foi submetido a neurocirurgia (n=49) e laparotomia exploratória (n=11). Dos politraumas não cirúrgicos, foi observado como diagnóstico principal TCE 54,38% (n=31). Em relação aos SAPS 3, a média de pontos foi 42, com pontuação máxima 99 e mínima 26. Quanto aos desfechos, 25,84% (n=46) dos pacientes foram a óbito e 74,15% (n=132) receberam alta.

Conclusão: O perfil do paciente politraumatizado em nossa UTI é: homem, jovem, com permanência prolongada na UTI e no hospital, sendo a maioria submetido a intervenção cirúrgica e com mortalidade elevada.