Support & Downloads

Quisque actraqum nunc no dolor sit ametaugue dolor. Lorem ipsum dolor sit amet, consyect etur adipiscing elit.

s f

Contact Info
198 West 21th Street, Suite 721
New York, NY 10010
youremail@yourdomain.com
+88 (0) 101 0000 000
Follow Us

Material Educativo

A importância de mensurar a carga de trabalho da equipe de enfermagem e o impacto na segurança do paciente durante a pandemia COVID 19

Autores: Lucas Garcia, Gerente de Produto Epimed Monitor Segurança do Paciente
Data de publicação: 27/03/2020

Em tempos de pandemia, o tema segurança permanece como um dos mais importantes no atendimento aos pacientes acometidos pela doença e também como um desafio global na garantia de um atendimento no momento oportuno e com mínimos riscos para o paciente e para o profissional de saúde. 

Sabemos que no dia a dia de um ambiente hospitalar, um dos maiores desafios dos gestores de enfermagem é garantir a segurança do paciente através da alocação adequada dos profissionais de enfermagem de acordo com o perfil atendido. Esse desafio se torna ainda mais crítico nas unidades de terapia intensiva, pois os desfechos dos pacientes dependem de muitos fatores. Entretanto, a qualidade da assistência de enfermagem é um fator contribuinte para gerar desfechos favoráveis com excelentes resultados. 

Diversos estudos apontam que o aumento da proporção de horas de assistência de enfermagem prestadas aos pacientes está diretamente associado ao aumento da qualidade da assistência e a diminuição da ocorrência de eventos adversos, tais como IRAS, lesões por pressão, incidentes relacionados à administração de fármacos, aspiração pulmonar, entre outros. 

Sendo assim, os enfermeiros que atuam nas unidades de terapia intensiva devem realizar o monitoramento diário de sua carga de trabalho requerida pelos pacientes hospitalizados. Atualmente, o instrumento científico validado para medir a carga de trabalho da enfermagem é o Nursing Activities Score (NAS). Os autores desenvolveram esse instrumento a partir do Therapeutic Intervention Scoring System (TISS-28), com objetivo de torná-lo mais especifico e representativo para as atividades realizadas pela enfermagem na UTI. A alteração mais importante ocorreu na categoria das atividades básicas, que recebeu as seguintes subcategorias: monitorização e controles, investigação laboratorial, medicações, cuidados com os drenos, procedimentos de higiene, mobilização e posicionamento, suporte e cuidados aos familiares e pacientes e tarefas administrativas e gerenciais.

As atividades de suporte ventilatório, como o uso de ventilação mecânica, cuidados com as vias aéreas e medidas para tratamento da função pulmonar são extremamentes importantes para categorizar o perfil de pacientes sob a perspectiva do NAS e mensurar a carga de trabalho, principalmente naqueles pacientes que evoluem com o quadro mais grave da doença, sendo necessário o uso de ventilação mecânica por mais tempo. 

O somatório dos pontos do NAS mede o percentual de tempo de enfermagem dedicado à assistência direta e indireta ao paciente num período de 24 horas e cada ponto do NAS corresponde a 14.4 minutos. Neste sentido, dois pontos do NAS equivalem aproximadamente a 30 minutos.  Assim se a pontuação for 100, interpreta-se que o paciente necessitou 100% do tempo de um profissional de enfermagem no seu cuidado nas últimas 24 horas. 

Portanto, é importante ressaltar que a pandemia do COVID-19 exige ainda mais a necessidade que os gestores das unidades de terapia intensiva garantam uma otimização na alocação de recursos, principalmente do time da enfermagem. Dessa forma, acreditamos que a ferramenta NAS, disponível no sistema Epimed Monitor, poderá auxilia-los na gestão do cuidado. 

Nossa equipe está à disposição para realizar treinamentos por videoconferência e sanar as dúvidas de utilização e extração dos relatórios, referentes ao NAS, bem como a outras funcionalidades do sistema Epimed.

Referências: 

Magalhães AMM, Costa DG, Riboldi CO, Mergen T, Barbosa AS, Moura GMSS. Association between workload of the nursing staff and patient safety outcomes. Rev Esc Enferm USP. 2017

Souza Priscilla de, Cucolo Danielle Fabiana, Perroca Marcia Galan. Carga de trabalho de enfermagem: influência das intervenções de cuidados indiretos. Rev. esc. enferm. 2019. 

Oliveira AC, Garcia PC, Nogueira LS. Nursing workload and occurrence of adverse events in intensive care: a systematic review. Rev Esc Enferm USP. 2016

Magalhães AMM, Dall’Agnol CM, Marck PB. Carga de trabalho da equipe de enfermagem e segurança do paciente – estudo com método misto na abordagem ecológica restaurativa. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013 

Dinis Reis Miranda, MD, PhD, FCCM; Raoul Nap, MSc, Biostat; Angelique de Rijk, MA, PhD; Wilmar Schaufeli, MA, PhD; Gaetano Iapichino, MD; and the members of the TISS Working Group. Nursing activities score. Crit Care Med 2003;